10.17.2008

Açores Über Alles

As eleições para o Governo Regional estão aí. Infelizmente, devido a uma inércia aliada a protelação, não vou poder fazer um desenho catita num boletim de voto açoriano. Depois de uma exposição de arte nas urnas em que eu e mais dois amigos artistas decidimos brindar a classe política nacional com uns belos desenhos pós-moderno-surrealistas (aqui há uns anos), eis que a população açoriana em geral e os senhores das mesas em particular não vão poder observar as minhas qualidades no que toca a motricidade fina. Adiante. Aqui as eleições estão ao rubro e o debate político é um bocadinho desinteressante. Vejamos: Carlos César diz que para ele em primeiro lugar estão os Açores, em segundo os Açores e em terceiro,imaginem, os Açores. Trilogia que facilmente poderia ser traduzida por Região, Região, Região.Trilogia em que Deus e Família ficarão à vontade de cada um. Não me admira que depois de escrever este post me venham dizer que não devo ter nada contra os Açores e que devo fazer tudo pelos Açores... Não faz mal nenhum algum comedimento nas palavras a quem tem tantas responsabilidades no pensamento da populaça. Eu sei que Carlos César não é um extremista, mas as massas são de extremos. Sim, especialmente o linguini de manjericão, mas com um bocadinho de azeite virgem extra aquilo vai ao lugar. Daí Costa Neves falar da sua vantagem em ter um curso. Às vezes as pessoas comportam-se como se não soubessem História, desprezando as advertências do passado acerca de discursos em que se incluam trilogias como bases de intervenção política, quaisquer que elas sejam.

Costa Neves, o rival que tenta chegar ao lugar de presidente do Governo Regional, também disse que acorda a pensar nos açorianos e deita-se a pensar nos açorianos. Tal tristeza! Claro que com uma ligeira mudança na forma da frase, tudo ficaria aceitável. Se Costa Neves dissesse que acorda a pensar em açorianas e se deita a pensar em açorianas, o meu aplauso acompanharia a vénia. Mas assim, os açorianos em geral... O candidato principal da oposição acorda e deita-se a pensar num conjunto de pessoas em que eu me incluo? Costa Neves deita-se a pensar em mim? Será isto fofinho ou tenebroso? Eu vou para a segunda hipótese. Outra coisa: O slogan do PSD aqui é "Melhor é possível". Está mal. Então quer dizer que o que foi feito até está bem, e que melhorar um pedacinho vá, é possível? "Os gajos do Governo fizeram um bom trabalho, mas nós conseguimos melhor." A oposição não pode apostar em slogans ambíguos deste tipo. Sugestões mais adequadas: " Pior é impossível, mais vale mudar". Assim o PSD assumia um posição realmente assertiva e não chocha como o : " sim senhor Presidente do governo. Excelente trabalho que está a fazer mas acho que nós... Bom... Talvez, não sei... Talvez consigamos fazer um poucochinho melhor. Mas o vosso trabalho está bom hein? Não se ofenda. Melhor, um pedacinho melhor, pode ser?"

2 comentários:

Lavrador disse...

"... de como aqui se chegou, e nada de valor se achou"
Perdoe-me a desfaçatez de trazer para aqui a sua frase...
não entendi?! Refere-se à pátria! à qual? à que temos; à que tivemos; ou à que não temos?

PmCDP disse...

Leve a frase para onde quiser.

Eu também não entendi o que não entendeu.